Tagged as: bem estar

Perfil de saúde do brasileiro revela diferenças entre quem tem e quem não tem plano de saúde

Perfil de saúde do brasileiro revela diferenças entre quem tem e quem não tem plano de saúde

Fonte: Previva

O Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) lançou recentemente um estudo sobre o perfil de saúde do brasileiro, analisando alguns indicadores com o objetivo de comparar duas parcelas da população: os beneficiários de planos de saúde e os não-beneficiários.

Com base na última edição da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), de 2013, o documento publicado em janeiro de 2019 revela as diferenças nos hábitos alimentares, no estilo de vida, na incidência de doenças crônicas não transmissíveis e seus fatores de risco entre esses dois públicos.

Com a publicação deste estudo, o IESS pretende nortear programas para a promoção de estilos de vida mais saudáveis nas operadoras de saúde.

Além disso, é uma forma de evitar erros em políticas de prevenção e promoção da saúde e de ajudar a reduzir a ocorrência de doenças, a mortalidade e a prevalência de fatores de risco.

Beneficiários têm hábitos mais saudáveis (mas não muito)

De maneira geral, o estudo do IESS demonstrou que as pessoas vinculadas a um plano de saúde possuem hábitos alimentares mais saudáveis e tendem a auto avaliar melhor sua saúde, em comparação com os não beneficiários.

No entanto, mais da metade da população nos dois grupos analisados apresentou alta prevalência de consumo de carne ou frango com excesso de gordura, leite integral, doces e sal.

Além disso, menos da metade da população pratica atividade física de forma regular!

Essa combinação de maus hábitos alimentares e falta de exercício físico está relacionada a frequências mais altas de doenças crônicas na população, o que está de acordo com a alta proporção de pessoas com sobrepeso e obesidade, por exemplo.

Maioria dos beneficiários é mulher e mora no Sudeste

Segundo os dados da Pesquisa Nacional de Saúde, cerca de 56 milhões de brasileiros (27,9% da população) tinham um plano de saúde em 2013.

A maior proporção os beneficiários era do sexo feminino (53,5%), na faixa etária de 20 a 59 anos (60,1%), brancos (62,3%), casados (41,6%) e com curso superior incompleto (32,2%). Na data da pesquisa, a região Sudeste concentrava 55,7% dos usuários de planos de saúde no país.

Além disso, segundo dados da ANS e da Pnad Contínua Trimestral, sabe-se que em dezembro de 2013, 66% dos beneficiários médico-hospitalares estavam vinculados a planos coletivos empresariais (planos fornecidos pelas empresas para seus empregados).
Hábitos alimentares ainda deixam a desejar

No que se refere aos hábitos alimentares, o estudo constatou uma maior proporção de indivíduos ingerindo a quantidade diária recomendada de frutas e vegetais entre os beneficiários de planos de saúde.

Como parâmetro, considerou-se a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) que sugere o consumo de 400 gramas diárias de frutas e hortaliças, o equivalente a, aproximadamente, cinco porções desses alimentos por dia.

Os usuários da saúde suplementar também afirmaram ter o hábito de comer carne ou frango com excesso de gordura em menor quantidade do que as pessoas sem plano de saúde.

Por outro lado, a proporção de beneficiários que consumiram doces de forma inadequada e declararam substituir refeições por sanduíches, salgados ou pizzas cinco ou mais vezes por semana é maior na comparação com os não-beneficiários.Diante desse quadro, investir em ações de reeducação alimentar deve ser uma prioridade cada vez mais importante para as operadoras de saúde.

Usuários de planos de saúde se exercitam mais

Quando se analisou o nível de atividade física entre os dois grupos nos últimos três meses, o percentual de pessoas que disseram praticar exercícios no tempo livre foi maior entre os beneficiários (30,9%) em relação aos não beneficiários (18,9%).

No extremo oposto, constatou-se que cerca de oito em cada dez pessoas sem planos de saúde não praticam atividades físicas com a frequência recomendada pela OMS. Entre os beneficiários de planos de saúde esse índice foi bem menor (69,2%), mas ainda é preocupante.

Verificou-se a prática de exercícios físicos como lazer (ou seja, não relacionada ao trabalho), observando a recomendação de 150 minutos semanais de atividade física leve ou moderada ou pelo menos 75 minutos de atividade física de intensidade vigorosa.

O estudo também avaliou a média de tempo que o brasileiro gasta diariamente diante da televisão, considerando como limite “saudável” um máximo de 3 horas diárias diante da telinha. O percentual de pessoas que afirmaram ultrapassar esse limite foi maior entre os não usuários (29,9%) do que entre os usuários de plano de saúde (26,8%).
Prevalência de fatores de risco para DCNT

De acordo com a análise do IESS, a prevalência de fumantes na população brasileira em 2013 era maior entre os não-beneficiários (16,8%) do que entre os beneficiários de planos de saúde (10,0%).

Ao avaliar o consumo mensal de bebida alcoólica, 75,4% dos que não possuem plano de saúde e 69,0% dos que possuem, responderam que não bebem ou bebem menos de uma vez por mês. Na análise oposta, verifica-se que a prevalência dos que consomem bebida alcoólica uma vez ou mais por mês é maior entre os beneficiários de planos de saúde (31,0%) e menor entre não beneficiários (24,6%).

A proporção de pessoas com colesterol alto foi um pouco maior entre os beneficiários de planos de saúde (15,5%) na comparação com os não beneficiários (11,3%). Na prevalência de hipertensão arterial e diabetes não houve diferenças significativas.

Mais de metade da população, tanto de beneficiários (56,4%) quanto de não beneficiários (52,4%), foi classificada com excesso de peso ou obesidade. A prevalência maior de sobrepeso foi registrada entre usuários de planos de saúde. Quanto aos índices de obesidade, não houve diferença significativa.
Percepção do estado de saúde

Segundo os organizadores do estudo, observou-se uma diferença significativa ao analisar a percepção do estado de saúde segundo a posse ou não de um plano de saúde.

Isso fica claro quando se nota que a percepção do próprio estado de saúde como muito boa e boa é proporcionalmente maior entre os beneficiários (77,7%) em comparação com os não beneficiários (61,1%).

Entre as pessoas com plano de saúde, 19,8% avaliou sua saúde como muito boa, 57,9% como boa, 19,3% como regular, 2,3% como ruim e 0,7% como muito ruim.

Já entre as pessoas que não possuem plano de saúde, 10,5% avaliou sua saúde como muito boa, 50,6% como boa, 31,9% como regular, 5,7% como ruim e 1,4% como muito ruim.

5 dicas simples para ter melhor qualidade de vida

É preciso dar um passo à frente para entrar em forma e se sentir bem. E para isso, podemos dar algumas dicas para você que quer começar a jornada:

1 – Exercício Diário

Exercite-se diariamente por pelo menos uma hora. Você não precisa se matar de correr, correr, etc., mas deve ter algum tipo de atividade física moderada em sua vida cotidiana. Se você está procurando perder alguns quilos rapidamente, faça um treino de intensidade de nível mais alto. Por exemplo, faça uma caminhada em ritmo acelerado por uma hora. Ou, você pode correr e definir determinados intervalos para correr durante essa hora. Certifique-se de que você não está com muita dor durante o treino. Apenas um aviso, seus músculos vão doer depois de um treino de alta intensidade. Pode ser irritante, mas isso significa que seu corpo está mudando para melhor. Certifique-se de ficar hidratado, esticar e comer alimentos com uma quantidade decente de proteína após cada treino. A proteína ajudará a manter seus músculos, não gordura, reconstruindo.

2 – Coma os alimentos certos e transforme cada refeição

Não importa o quanto seu estômago esteja lhe dizendo para ir atrás de doces ao invés de comida saudável, tente ficar longe de doces. Açúcar de doces não vão ajudar você a entrar em forma. Mesmo que seja apenas uma barra de chocolate, uma acabará levando a outra. Frutas e legumes são a melhor coisa para comer quando entrar em forma. As maçãs, por exemplo, fazem um bom trabalho para deixar o estômago cheio por até 3 a 4 horas. Vegetais verdes, como brócolis, mantêm o sistema digestivo limpo e em funcionamento.

Além disso, fique com carnes magras como peru e frango. Frutos do mar, como camarão e tilápia, também são ótimas alternativas. Estes alimentos estão cheios de proteínas e nutrientes saudáveis ​​para ajudar a manter os músculos em forma e prontos para os treinos. Além disso, certifique-se de dividir o que você come. Ter um bom metabolismo vem do porcionamento de refeições. Tente planejar comer seis vezes por dia e colocar porções menores, em vez de fazer três refeições grandes durante o dia. Isso também ajudará você a respirar mais suavemente ao treinar, em vez de soprar e ofegar. Isso é porque você terá menos comida em seu sistema digestivo, o que significa que mais energia é usada para o seu exercício.

3 – Acompanhe as calorias e a ingestão de alimentos por dia

Manter o controle de quantas calorias você come em um dia será útil para planejar seu exercício físico. Você já se perguntou por que as massas corporais dos construtores de corpo são tão grandes? Isso porque planejam as refeições e absorvem mais calorias (saudáveis) do que a média das pessoas. Por outro lado, perder peso e lutar por um físico mais magro envolverá mais exercício físico do que as calorias que você ingerir.

4 – Certifique-se de dormir

Mesmo que a maioria de nós tenha oito horas de trabalho durante o dia ou a noite, é crucial dormir o suficiente para recarregar as baterias do corpo. Seis a oito horas de sono manterão o corpo durante todo o dia, mas se você se sentir cansado a qualquer momento depois de voltar do trabalho, faça uma pequena soneca antes de se exercitar. Você só deve cochilar por cerca de meia hora. Isso impedirá que você fique acordado até tarde da noite.

5 – Mantenha-se motivado

Uma chave importante para estar em forma é estabelecer metas e manter uma mentalidade positiva. Se você ficar positivo, você será capaz de se esforçar para obter o corpo que você sempre quis.

Fonte: Active

Aplicativo Sthanke Saúde

Nosso pacote Qualidade de Vida conta com diversos serviços para sua empresa. O monitoramento de todas as atividades são feitas através do Sthanke Saúde, um aplicativo fácil e prático, com fotos e vídeos que facilitam a execução dos exercícios físicos.

Aplicativo Sthanke Saúde

Entre em contato para conhecer nossos serviços e adquirir o seu pacote!